20 de jul de 2009

Células-Tronco-Embrionarias, porque sou contra as pesquisas?

As pesquisas com células-tronco embrionárias (CTE) ainda causam muita polêmica, pois o artigo 5º da Constituição Federal protege o direito a vida. Mas afinal, quando começa a vida?

Os dois lados, os a favor das pesquisas e os contra tem razões justas a respeito do tema, mas a mídia e o grupo a favor das pesquisas, utilizam de informações falsas para fazer, indiretamente, os brasileiros serem a favor das pesquisas. A Igreja Católica é claramente contra essas pesquisas, mas as informações falsas passadas pelo grupo que é a favor faz com que a Igreja Católica pareça não se importar com as pessoas que tem doenças degenerativas. A Igreja é sim contra as pesquisas com CTE, mas é a favor das pesquisas com células-tronco adultas (CTA), e inclusive financia a pesquisa com CTA.

As mentiras contadas pela mídia em torno desse assunto são muitas, a principal delas é que as pesquisas com CTE já trouxeram a cura de várias doenças, e não existe no mundo nenhuma doença que seja curada pelas CTE, existem sim doenças curadas pelas CTA, que são 73 doenças até o momento. As CTE até hoje só produziram tumores, rejeição, desperdício de dinheiro e vidas humanas.

Diz-se também que não se pode exigir um resultado imediato das pesquisas, pois começaram apenas em 1998 com James Thomson. Sim começaram apenas em 1998, mas em CTE humanas, as pesquisas em animais começaram em 1981, e até hoje não se obteve nenhum sucesso. A revista Nature em 2006 comemorava 25 anos de pesquisas com CTE.

Os grandes cientistas do mundo colocaram suas esperanças nas pesquisas de CTE, e se o Brasil não acompanhar ficará mais uma vez para traz. Isto é o que a mídia quer que agente acredite, mas James Thomson, o mesmo que isolou CTE humanas em 1998, e Ian Wilmut, o criador da ovelha Dolly, desistiram das pesquisas com CTE e pesquisam hoje às células-tronco pluripotentes induzidas (CTPI), que é a produção de células pluripotentes a partir de uma célula da pele. O resultado dessas pesquisas tem sido animadores, com resultados positivos em camundogos a respeito do mal de Parkinson.

Outra grande mentira que se conta é que as CTE não teriam outra finalidade se não o lixo, ora se esses embriões não forem amados pelos seus pais eles podem perfeitamente serem encaminhados para a adoção, e isto já acontece nos Estados Unidos e tem empresas especializadas em adoção de CTE.

Certamente a maior e mais convincente mentira que os pesquisadores de CTE contam é que após três anos as CTE não têm mais a capacidade de se desenvolver, o que estes pesquisadores iram falar no futuro para Vinícius que ficou congelado por oito anos, foi implantado no útero de sua mãe e nasceu?

"É uma loucura falarem que embrião congelado há mais de três anos é inviável. E isso não tem nada a ver com religião. A viabilidade é um fato e ponto. Os maiores centros de reprodução na Europa defendem o congelamento de embriões como forma de evitar a gravidez múltipla", afirma o ginecologista José Gonçalves Franco Júnior, detentor do maior banco de criopreservação do país.

Diz-se também que a discussão acerca das pesquisas com CTE nada tem a ver com a descriminalização do aborto, será mesmo? Ora se podemos matar um embrião humano, ou seja, da classe homossapiens, da mesma da nossa, porque não matar um feto com menos de quatro semanas? Os dois não tem massa encefálica mesmo, e de 4 semanas para 5 qual a diferença? E assim num futuro, sem percebermos estaremos legalizando o aborto, a eutanásia, etc.

Ser a favor das pesquisas com CTE é ser contra a vida que a própria Constituição Federal protege, e que devemos como Cristãos que somos proteger acima de qualquer outra coisa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário